segunda-feira, 20 de outubro de 2008

São Miguel de Acha (I)

Havia conhecido os meus avós maternos logo à minha chegada ao Barreiro, onde eles viviam.
Embora maior parte da minha família materna e alguma paterna vivesse no Barreiro, a nossa estadia não se efectuou em casa de parentes nossos, mas em casa de amigos dos meus pais. Facto esse que desagradou aos nossos familiares e dando origem a um mau estar e rivalidades entre famílias.
Mas o meu pai ansiava por ir visitar o seu pai e madrasta, que viviam numa aldeia, São Miguel de Acha, em plena Beira Baixa.

Passadas algumas primeiras semanas no Barreiro, onde visitámos familiares e a partir de onde fizemos algumas visitas turísticas a Lisboa, foram feitos os preparativos para viajarmos para o interior, até casa dos meus avós paternos.
Alguma apreensão me invadia, pois se as condições de vida numa vila junto à capital eram as que eu constatava com desapontamento, como não seriam então numa aldeia no interior rural? Contudo não deixava de sentir alguma expectativa romântica por ir verificar in loco aquilo que só conhecia pelos livros de geografia.

Terminados os preparativos, lá rumámos numa manhã bem cedo até à gare ferroviária de Santa Apolónia, onde apanhámos o comboio (Br.; trem) da linha da Beira Baixa, que se alongou languidamente pela margem direita do Tejo, até virar para o interior passado o estreito das Portas de Rodão e, finalmente chegamos a Castelo Branco. Uf!...

Contudo não podia ainda suspirar de alívio, pois faltava ainda o percurso em camioneta de carreira que nos levaria até à aldeola, que parecia ficar no fim do mundo!
Estava calor! O sol escaldava e o ar era sufocante, o que ainda tornava mais insuportável o esforço e incómodo da viagem. E que incómodo!
Nessa curta, mas longuissimamente agoniante viagem, descobri que não era para mim o viajar de camioneta. O calor, os cheiros a gasóleo e escapes e o movimento serpenteante por uma estrada estreita e aos solavancos, provocaram-me enjoo.

Finalmente, numa curva no alto dum morro, avistamos um cemitério e o meu pai anunciou: "Já chegamos!"

4 comentários:

Serginho Tavares disse...

que lindo post meu amor e me deixou curioso em querer saber o que aconteceu quando chegou lá











[te amo]

Ramarago disse...

Agora estou curioso para o seguimento!... vá lá oh primo "mete" lá o proximo capitulo... hehehehe

JotaSP disse...

Também conheço muito bem!!!
___________________________________O mundo é um T0 não é???

Abraços «««

JotaSP disse...

Gostava de ver os blogues do Ramarago :(